dddleao

NEGACIONISMO

Em São Leopoldo (RS), servidor ameaça prefeito de morte por exigir comprovante de vacinação

Ato foi em reação à exigência da comprovação vacinal de servidores e população em geral para acesso a prédios públicos

dddleao | Porto Alegre (RS) |
Segundo Vanazzi, foi registrado um Boletim de Ocorrência na Polícia Civil - Foto: Thales Renato Ferreira

Depois de anunciar a exigência do cartão de vacinação para os servidores públicos da cidade comparecerem ao trabalho, na sexta-feira (20), o prefeito de São Leopoldo, Ary Vanazzi (PT), foi ameaçado de morte por um dos motoristas da Secretaria Municipal de Saúde.

Eleitor de Jair Bolsonaro (PL), o servidor com as iniciais C.R.N. enviou um áudio para um grupo de WhatsApp do seu setor afirmando que não iria se vacinar e poderia até matar alguém.

Leia mais: RS tem semana com forte alta de casos confirmados de covid-19, aumento de óbitos e internações

“No meu corpo mando eu e não tomarei esta vacina que é um teste, como consta no contrato de compra, este ditador (o prefeito) quer me impedir de entrar no meu trabalho”, afirma o servidor no áudio apresentado como prova na sindicância. A fala, de um minuto e meio, está cheia de impropérios e termina com a afirmação “eu não vou tomar esta m...”.

São Leopoldo é uma das cidades da Região Metropolitana de Porto Alegre que está há uma semana com todos os leitos do Hospital Centenário comprometidos pela pandemia. Em entrevista ao dddleao, o prefeito Vanazzi disse que já recebeu várias ameaças deste tipo desde o ano passado, mas que o servidor em questão, com medo de perder o emprego, tomou a segunda dose da vacina na segunda-feira (24).

“Mesmo assim, mantivemos o Boletim de Ocorrência na Polícia e manteremos a sindicância interna para apurar responsabilidades. Este senhor é um dos motoristas da Secretaria da Saúde e transporta pessoas, podendo se transformar num veiculo de contágio”, explicou o prefeito. Veja o Boletim da Ocorrência.

Acesso a prédios públicos só para vacinados

Segundo o decreto municipal, desde segunda-feira (24), servidores e população em geral precisam apresentar o comprovante de vacinação para acessar os prédios públicos de São Leopoldo, especialmente o Centro Administrativo, o Serviço de Água e Esgoto (Semae) e o Instituto de Aposentadoria e Pensões dos Servidores de São Leopoldo (IAPS).

Além de registrada por Boletim de Ocorrência on-line na Polícia Civil, a ameaça está sob investigação da Secretaria de Administração do Município.

:: Por quanto tempo um paciente com covid deve se manter em isolamento? Tire essa e outras dúvidas ::

Conforme entende o governo de São Leopoldo, a vacinação é um ato coletivo para preservar a vida e a saúde da população, e uma questão de saúde pública. Ainda mais quando um servidor está a serviço da comunidade.

De acordo com a Secretaria de Administração, o servidor em questão já responde a um processo administrativo por se negar a apresentar uma cópia do cartão de vacinação, conforme determina o Decreto n.9927, de agosto de 2021. E ainda, reitera que as equipes já estão orientadas para a exigência da comprovação e instrução da população como forma de incentivar a vacinação e dar exemplo.

Variante Ômicron colapsou sistema de saúde

O prefeito Vanazzi explicou ainda que, nas últimas semanas, os casos de covid-19 aumentaram muito rapidamente e já está havendo a falta de testes para se controlar a epidemia. Por isso, segundo ele, medidas mais rigorosas devem ser tomadas, como a exigência do cartão de vacinação, a imunização de crianças e até mesmo a fiscalização das escolas particulares e lojas da cidade que são locais que recebem publico são obrigadas a exigir o documento.

Saiba mais: Nicolelis: “Com a taxa de transmissão que tem, ômicron vai sufocar os sistemas de saúde" 

Segundo informações da assessoria de comunicação do Hospital Centenário, na tarde desta segunda-feira (24), o índice de ocupação dos leitos clínicos do hospital chegou a 135%, ou seja, são 19 pacientes internados numa área com capacidade para 14 leitos. Mais seis leitos serão ativados, afirma a direção do Centenário.

“Precisamos proteger nossa população, é um dever de Estado, embora o governo federal e o estadual estejam expondo os brasileiros a esta doença” concluiu Vanazzi.

Fonte:BdF Rio Grande do Sul

Edição: Marcelo Ferreira


dddleao Mapa do site

1234