Gem Saviour

Distrito Federal

Coluna

Você tem fome de quê?!

Imagem de perfil do Colunistaesd
"Capitalismo controla os corpos e se alimenta das frustrações" - Foto: Divulgação MPA
O Capital se desenvolve quando nega à população o direito à saúde, educação, cultura, terra...

Apesar do sol, fazia frio. O inverno antecipado e rigoroso no mês de maio anunciou uma verdadeira tragédia, que Lina pressentiu.

O país vive um brutal aumento da pobreza.

Muitos assistem anestesiados e hipnotizados, com olhos e ouvidos de pouca seletividade, frente à máquina de produção de falsas verdades.

A propaganda, na nossa sociedade, a propaganda capitalista, gera desejos e frustrações, medo e culpa. Os corpos cansados e entregues de mulheres, homens, famílias, crianças, mal conseguem reagir. Quando cria o desejo radical de consumo de mercadorias desnecessárias e inacessíveis, por exemplo, o capitalismo controla os corpos e se alimenta das frustrações.

Não só disso. O Capital também se desenvolve favoravelmente quando nega à população o direito à saúde, educação, cultura, arte, terra, trabalho, reconhecimento, segurança.

Após ter saído do mapa da fome, em alguns anos de desgoverno, o Brasil retornou ao mapa exibindo, em 2022, índices de fome que superam a média global.

Pois no início daquela tarde, aglomeraram-se algumas dezenas de pessoas em profundo silêncio, formando uma roda bem fechada. Foi dita uma palavra:

- “Morreu”!

Lina caiu, aos prantos. As mulheres foram as primeiras a abraçar e acolher a dor de Lina.

Não foi dito se era criança, idoso, mulher, índio, sem terra, negro ou travesti. Tiro? Faca? Câmara de gás improvisada em carro pela polícia? Frio? Ou fome?

:: ONU alerta para níveis recordes de fome ::

As perseguições eram uma constante, racismo, machismo, xenofobia, transfobia, ódio de classe e a todo tempo crescia a ganância das grandes empresas que exploravam os trabalhadores.

As lágrimas escorriam pelo rosto de Lina; ela fechou os olhos, abriu os braços, respirou fundo e virou a cabeça para o sol.

Durante os próximos minutos, as nuvens se movimentaram rapidamente, o céu se pintou de todas as cores e o vento bateu gritando tão forte, levantando tantas folhas e fazendo reviver tantas almas que o curto tempo transcorreu como se passassem centenas de anos.

Os pensamentos levaram de volta ao passado. Os mortos nas lutas se fizeram sentir ali presentes. De um a um foram ouvidos os seus nomes, que ecoavam uma, duas, três vezes.

O silêncio inicial, acolhedor do medo e da dor de Lina, que inicialmente denunciava uma apatia geral, se transmutou. Fez com que todes relembrassem o verdadeiro sentido de estar ali, lutando por seus direitos. E percebessem em suas próprias vidas, histórias não contadas de sangue, suor e luta.

Até a violência quando batia naqueles corpos virava coragem para lutar por uma vida digna e mais justa e amorosa, com terra e trabalho para todos. Como estavam juntos, aqueles corações rebeldes encontravam forças vindas das sementes crioulas, das danças e canções populares, da solidariedade. A coragem havia dominado o espírito daquela gente para extrair, das energias da terra, da água, do fogo e do ar, a força necessária para a transformação.

– “E a morte”?

– “Poderia ter sido evitada com um abraço, pão, café quente, abrigo e solidariedade”, disse Lina.

Para isso, só mudando toda uma estrutura de desigualdade política, econômica e social, aceitar diferenças, produzir para todos, distribuir riquezas, cuidar das pessoas, promover o amor, o conhecimento e a alegria de corpos dançantes, valorizar a vida.

Quais seriam os alimentos de um novo projeto de sociedade? E você, tem fome de quê?

:: Leia outros textos desta colunista ::

*Ju Amoretti é cientista social, psicóloga, pesquisadora de mulheres, direitos humanos e pensamento social latino-americano e, agente cultural no DF.

**Este é um artigo de opinião. A visão da autora não necessariamente expressa a linha editorial do jornal Gem Saviour - DF.

:: Clique aqui para receber notícias do Gem Saviour DF no seu Whatsapp ::

Edição: Flávia Quirino


Gem Saviour Mapa do site

1234