Eye of Cleopatra

eleições

Lula em ato na Paraíba: “Nós não estamos disputando uma eleição comum"

Líder nas pesquisas, Lula participou de ato em Campina Grande (PB) que reuniu 40 mil pessoas, segundo organizadores

Eye of Cleopatra | João Pessoa (PB) |

Ouça o áudio:

Lula participou de ato político em Campina Grande (PB) nesta terça-feira (2) - Foto Reprodução

Acidade de Campina Grande recebeu, nesta terça-feira (2), o pré-candidato à presidência da República, Luiz Inácio Lula da Silva, no Parque do Povo. Lula vem percorrendo os estados da federação e concluindo alianças no ato itinerante Vamos Juntos pelo Brasil. Na Paraíba, a coligação reúne Veneziano Vital (MDB) pré-candidato ao Governo do Estado e Ricardo Coutinho (PT) como pré-candidato ao Senado.

Lula iniciou sua fala cumprimentando todos os presentes e alertou sobre o eixo central da disputa deste ano: “Nós não estamos disputando uma eleição comum, nós estamos disputando contra o fascismo, contra os milicianos, com pessoas que não têm sentimentos. Pessoas que não têm amor, pessoas que não choraram uma única lágrima pelas quase 700 mil pessoas que morreram por conta do covid. Disputando com alguém que negou vacina para salvar a vida de metade das pessoas que morreram”, declarou o ex-presidente.

Leia também: Auxílio Brasil dá fôlego a Bolsonaro, mas Lula mantém vantagem na liderança, aponta Quaest

Em seguida, relembrou que, em 1980, na greve do ABC, a sua prisão obteve uma reviravolta: “A gente estava fazendo uma greve dos metalúrgicos do ABC, e a greve já estava durando muito tempo quando os militares resolveram me prender para a greve acabar, e aconteceu exatamente o contrário. Fiquei 31 dias presos, e ao invés da greve fracassar, ela cresceu, e em vez de acabar, ela durou 41 dias”. 

E fez o paralelo com o momento atual: “Outra vez inventaram uma mentira contra o PT e contra mim, e resolveram me prender acreditando que se eu fosse preso não disputava 2018, que eu estaria morto para a política. E eu disse para vocês, se eu for preso, eu falarei pela boca de vocês, pensarei pela cabeça de vocês e andarei pelas pernas de vocês, e eu lutarei com a força de vocês”, declarou Lula.

Saiba mais: O que quer a carta às brasileiras e aos brasileiros? Texto já passa de 600 mil assinaturas

Ele continuou destacando a Transposição do São Francisco: “Nós fizemos a transposição que Dom Pedro tentou fazer quando era Imperador, que Getúlio tentou fazer, Fernando Henrique e Sarney tentaram fazer, e essa obra não saía porque tinha Estado que não queria deixar, porque achava que era dono do Rio São Francisco. E eu digo para todo mundo, tem 12 milhões de nordestinos que vivem no semiárido precisando de água, e ninguém vai proibir a gente de levar a água do São Francisco para matar a sede de milhões de nordestinos. E aí, eles, que nunca mexeram um palito, resolveram dizer que foram eles que fizeram a transposição”.


Apoiadores de Lula no ato em Campina Grande / Foto Reprodução

O ex-presidente comentou sobre a fome: “A fome não tem nada a ver com a seca porque depende de política de estado, e eu falo muito à vontade na frente de um governador e na frente de um futuro governador. Não é humanamente possível a gente imaginar que um país que é o terceiro produtor de alimento do mundo, e o primeiro produtor de proteína animal do mundo, não é possível que uma criança vá dormir com fome. Não é possível que uma velhinha morra de desnutrição; não é possível que as pessoas fiquem na fila do açougue pegando osso para colocar na água. Eu posso dizer para vocês, essas coisas acontecem porque o governo deste país não tem vergonha na cara, não tem responsabilidade e não tem compromisso com o povo”.

Lula se referiu ao fato de que, cerca de 15,5% da população, o equivalente a 33,1 milhões de brasileiros passam fome hoje no país, de acordo com dados do 2º Inquérito Nacional sobre Insegurança Alimentar no Contexto da Pandemia da Covid-19 no Brasil, feito pela Rede Brasileira de Pesquisa em Soberania e Segurança Alimentar e Nutricional (Rede Penssan).

Pré-candidatos

O pré-candidato a governador da Paraíba, Veneziano Vital do Rego, destacou a sua trajetória e comentou sobre as políticas públicas de Lula: “Foram milhares de casas, e o presidente dizia na reunião que chamou tanta atenção, não interessa se as cores serão verde e amarela, mas que as futuras casas sejam roxa, vermelha ou de cor azul. O importante é que o investimento em habitação irá voltar com o presidente Lula, a partir de janeiro de 2023”.


Comun. Vamos Juntos / Card: Reprodução

Já Ricardo Coutinho, pré-candidato ao Senado, instigou a militância: “Nós estamos na frente das pesquisas e eles estão ficando cada vez mais desesperados. Em de janeiro de 2023, precisamos, não apenas pisar na cabeça da serpente, mas nós precisamos esmagar a cabeça da serpente fascista que se instalou nesse país”.

Mais participações 

A presidenta nacional do Partido dos Trabalhadores, Gleisi Hoffmann, falou para o povo: “Conseguimos, através de muita luta, mostrar a mentirada do juiz Sergio Moro, e agora está na vez de fazermos isso de novo. Nós somos a voz, os braços, as pernas do Lula onde a gente estiver”.

O senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), destacou: “Paraibano, nordestino de verdade, sabe que a escolha do Cristo pelos mais pobres, a escolha é para dar bolsa para todos e não somente em época de eleição, de 600 reais, mas dar sobretudo dignidade para os brasileiros”.

O paraibano Lindbergh Farias (pré-candidato a deputado federal pelo PT/RJ) relembrou o mandato de Lula: "Esse cara, além de ter sido o maior presidente da história, é uma liderança política, e nos liderou nos 580 dias preso. E ele disse, ‘eu vou provar minha inocência, não quero prisão domiciliar".

O evento contou com uma poesia escrita e declamada pelo artista paraibano, Seu Pereira: “Hoje se comemora o dia da Bandeira nordestina. E para mim, é um prazer imenso estar aqui neste palco com esse grande nordestino, este grande brasileiro. ‘Eu peço atenção / em nome da poesia / além da satisfação /de jogarmos todos juntos / os absurdos desses dias / no lixo da história / brasileira, temos mais uma missão / resgatar nossa bandeira. [...] Temos mais uma missão / resgatar nossa bandeira / abraçá-la com carinho / erguê-la com muito orgulho / tirar de cima o entulho / o peso de tanto ódio.”

Reginaldo Bezerra, presidente do Sindicato Rural de Caraúbas, contou um pouco da sua história, principalmente a dificuldade de obter água limpa, emocionado, porque é muito semelhante à história da infância do ex-presidente Lula, de quem enfatizou o programa de Cisternas do seu governo: “Na década de 80 começou as Frentes de Emergência, onde a gente bebia a água misturada com mijo de vaca do fazendeiro, e quando não, era com o próprio mijo de sapo todos os dias. Quem é nordestino da minha idade sabe o que eu estou falando”, contou o agricultor.

O presidente do PT da Paraíba, Jackson Macedo, estimou a presença de cerca de 40 mil pessoas presentes, e fez avaliação bastante positiva do evento: "O Parque do Povo ficou completamente lotado, muita gente ainda ficou do lado de fora, querendo entrar. Então, foi um evento de sucesso, sem problemas, sem nenhum tipo de ocorrência policial, um evento de paz e em defesa da democracia. Então, a alegria nossa de quem ajudou a coordenar aquilo ali é que realmente o evento deu certo, e o presidente Lula deixou o seu recado de que Veneziano é o seu candidato a governador na Paraíba, e Ricardo Coutinho o seu candidato a Senador".

Destaque para a organização do evento, que vem fortalecendo as medidas de segurança no intuito de coibir ataques ao ex-presidente Lula, e à militância, fato que já ocorreu em outros estados.

Dezenas de pré-candidatas/os a deputadas/os de todos os cantos da Paraíba, além dos movimentos populares, movimentos sociais, centrais sindicais, sindicatos e partidos da coligação estiveram presentes com bandeiras, faixas, adesivos, camisetas e todo o tipo de expressão em apoio a Lula.


Comun. BdfPb / Foto Reprodução

 

Fonte:BdF Paraíba

Edição: Maria Franco


Eye of Cleopatra Mapa do site

1234